Gerlandy Leão

 

As duas mães eram conhecidas de longa data, o que as faziam amigas. Tiveram filhos com pequeno intervalo de ano entre o nascimento. Com o tempo começaram a iniciar uma competição de quem teria o melhor filho. Mal se viam era possível detectar defeitos na criança alheia. E nenhuma queria ficar em desvantagem quanto a conhecimentos adquiridos por eles, ou seja, quando um era matriculado em alguma modalidade esportiva, logo o outro estava na companhia. Se o outro fizesse algum curso de idioma, o outro iniciaria dias após, eram atividades e mais atividades, dança, artesanato, teatro etc. Não precisavam ter dinheiro já que isso só ficava nos primeiros dias de curso, assim não pagariam. Estavam sempre espiando o que a outra fazia e já nem se falavam mais a não ser para saber pequenas informações onde o filho estudaria e frequentaria.

Um dia se reencontraram e cada uma começou a se gabar de como seu filho era lindo, criativo, inteligente etc. A primeira mãe resolveu mostrar as fotos que tinha feito no circo “Veja como meu bebê está lindo, aqui ele está ao lado dos macacos”. A segunda mãe rapidamente respondeu: “Nossa querida, que belíssimos macacos”. Esta precisaria urgentemente de fotos ao lado de qualquer outro animal, já sabia: iria visitar o zoológico.

Outro dia encontraram-se novamente e discorriam sobre a arte de ser mãe e como era bom ver o seu pimpolho crescer, iniciando, de novo, a sessão de apresentação de vantagens. “Você sabia que meu menino anda desde os nove meses de idade?” A outra sem perder tempo alfineta, “Sério? então uma hora dessas ele deve está longe né?”. Essas palavrinhas infames sempre desagradavam, mas ambas mantinham um sorrisinho, não podiam perder a elegância.

Quem não aguentavam eram os professores que ficavam em meio ao tiroteio quando ambas tentavam suborná-los para adquirirem preferência em apresentações ou outras atividades escolares, isto mesmo, embora seja uma blasfêmia falar isso, mas as mães podem ser corruptas também.

O destino quis que os pequeninos se tornassem colegas e como em toda brincadeira de criança é comum haver discórdias. O filho entra em casa aos berros “eu quero, eu quero meu brinquedo de volta. Ele quebrou meu brinquedinho”, “Mas que malcriado!” pensou a mãe furiosa e foi tomar satisfação com o moleque. A outra mãe, óbvio, não gostou nada de ver sua cria intimidada pela mulher e quis saber o que tava ocorrendo.

E começou uma confusão com frases: “você tem inveja do meu filho”, “o meu filho é mais lindo do que o seu”, “coitado dele”, “eu sou a melhor mãe do mundo”, “ o meu filho é a criança mais linda do mundo”, “ Eu soube que seu filho é tão malcriado que destruiu seu relógio” acusou a primeira mãe. “ E daí, eu o incentivo, porque ele vai ser um grande cientista, tem que aprender a ser curioso”.

Sem compreender nada, eles acharam melhor continuar brincadeira, e consertar o brinquedo quebrado em vez de serem espectadores daquela cena. As mães nem perceberam o entendimento dos meninos e continuaram com o arremesso de palavras. Foi necessário a interseção de uma terceira mãe para que elas se acalmassem.

Ora meninas o que é isso? O que vocês ganham nessa confusão toda? Creio que nenhuma seja melhor que a outra, ambas se esforçam para dá o melhor aos filhos. Em vez de trocarem tapas vocês poderiam trocar figurinhas de como serem ótimas mães. Vejam, seus filhos são iguais, nenhum é superior”. Envergonhadas as outras duas mães resolveram fazer as pazes e agradeceram a colaboração da colega. “Realmente aprendemos que ninguém é melhor, você nos ajudou muito, obrigada”. E saíram alegres para tomar um café e colocar papos em dia. A terceria mãe as olhava, enquanto se afastavam, mexendo a cabeça negativamente, sorrindo levemente, pensando consigo: “coitadas dessas mulheres, tão iludidas quanto aos seus filhos. Elas não sabem que o menino mais lindo do mundo é o meu”.

Bem, os meninos não se tornaram modelos, nem intelectuais, cientistas… ou qualquer coisa que as mães tenham desejado, mas ganharam milhões com o futebol, dinheiro que faz desses dois Ronaldinhos homens belíssimos. Ah! e quanto à terceira mãe, poucos meses depois daquela história ela retornou para sua casa na Argentina com seu filhinho Carlito Tevez.

 

Inspiração: ex vizinhas

Homenagem: Todas as mães em especial a todas amigas minhas que têm filhote e à Dona Eró que me acha uma das quatro crianças mais lindas do mundo, as outras três são minhas duas irmãs e meu irmão.

Anúncios